"Então, comeu kibe cru e sentiu a vida nascer. Desse dia em diante tomou gosto pela vida e só passou a comer..." (Trio Mocotó)



quinta-feira, 27 de agosto de 2009

A solução: fazer piada

Brasileiro adora fazer piada. Crise econômica vira motivo de chacota, crise política também. As pessoas estão morrendo por causa da gripe suína? Viram espírito de porco. E o riso enche o ambiente de trabalho, a roda de amigos num bar, as ruas da cidade. Mas também, vivendo no país da piada pronta, não tem como ser diferente.

O senador Eduardo Suplicy, por exemplo. Mostrou cartão vermelho para o presidente do Senado, José Sarney. O do bigode ficou alterado. Aí, disseram que se fosse cartão corporativo, Sarney aceitaria. Olha aí a piada.

Eu gosto do Suplicy, mas ir até o Senado e mostrar um cartão vermelho? 5ª série, hein... Piada.

Já analisou a trajetória do presidente Lula? Uma piada atrás da outra. E depois dizem que o Brasil precisa ser levado a sério.

Eu, preocupado como estou com as coisas que tenho para fazer no dia-a-dia, já não me dou mais ao luxo de levar a política tão a sério. Nem a gripe, nem a crise.

E já que estou falando de piada, aí vai uma que li no Testosterona. Não tem nada a ver com essas porcarias que estamos de saco cheio de ver e ouvir, mas, deixando o machismo de lado, eu achei boa. Aí vai:

Certo dia, o sempre curioso Adão fez uma pergunta a Deus que mudaria todo o curso da humanidade:

- Deus, o que é dor de cabeça?

Deus com toda a sua elegância e sabedoria olhou melancolicamente para Adão e respondeu:

- Me dá uma costela aí, que eu te mostro. (Rá!)

Começa assim, depois piora!

Por hoje é só.

Um comentário:

=^.^= Muni =^.^-= disse...

adorei o texto....vou voltar bjuuu