"Então, comeu kibe cru e sentiu a vida nascer. Desse dia em diante tomou gosto pela vida e só passou a comer..." (Trio Mocotó)



sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Há cagaços que vêm para o bem

adalberto mirinda

Na vida, a gente passa por momentos que nos fazem repensar tudo o que fizemos (ou não fizemos).
Ontem, me aconteceu uma desventura fortemente cabulosa.

Eu, no papel de assessor de imprensa de alguém realmente importante, me vi em maus lençóis. Foi assim que aconteceu:

Estava eu, digitando cousas no meu velho e querido liplop, com o fone de ouvido no ouvido, quando, de repente, um dos meus chefes abriu a porta rapidamente e disse: "Finito, tire esse negócio do ouvido que eu quero falar com você!".

Como eu estava com o negócio no ouvido, não entendi nada do que ele disse. Eu só perguntei: "O quê?". Ele repetiu e me chamou para fora da sala.

"Você tá sabendo que deu merda por causa daquele negócio e que o responsável foi intimado a depor na Federal?"

Eu só arregalei os olhos. Ele continou:
"Você é o assessor de imprensa. E agora, o que você vai fazer?"

Eu os arregalei o máximo que pude. Perguntei: "E a que horas ele vai depor?".
Ao que ele respondeu: "Ele já está lá. E temos a informação de que toda a imprensa da cidade também!"

Foi aí que fiz cocô na calça.

Entramos correndo no carro direto para a delegacia da Polícia Federal. Meu chefe falando: "E aí, já sabe o que vai fazer quando chegar lá?".
Eu não tinha nem idéia do que estava acontecendo. Mil coisas começaram a pipocar em minha mente: os quadros mais surreais de Dalí, as músicas mais psicodélicas dos Mutantes, a letra de "Lucy in the Sky with Diamonds", essas coisas.

E ele continuava com a conversa de que eu tinha que ter bolado uma estratégia e blá blá blá.
Conversa de grego.
Conversa para inglês ver.

Mas como não sou grego nem inglês, estava ferrado. A essa hora eu não queria mais nada, só o colo da minha mãe.

Foi então que, vendo o meu desespero de jornalista que ainda tem muito o que aprender, ele começou a rir e disse: "Calma, nós já temos a estratégia! Estamos pensando nela há uns três dias..."

Primeiro eu pensei: "Seu grande filha. Me fez passar um cagaço desses só para se divertir comigo?". Mas um tempinho depois, meu pensamento violento se transformou em um imenso jardim florido. Pensei: "Pô, eu tava mesmo precisando de uma chacoalhada dessas!"

E então, agradeci a ele pelo cagaço. Ele me disse que quer que eu seja um verdadeiro jornalista e que vai fazer de tudo para que isso aconteça.
Achei muito legal da parte dele. Só que não me faça passar por um cagaço desses de novo, pois não há papel higiênico que limpe depois.

3 comentários:

=^.^= Muni=^.^-= disse...

HAHAHA vc merece uma dessas!
Adorei....
e os seus pensamentos turbilhando?
KKKKKKKKKKKKKKKK
vc nem pensou na musica do "grelo" ou do "kibe"? HAHAHA
BJ

Carolinda disse...

ADORO ESSA SENSAÇÃO... "qdo a gente pensa q td acabou, q estamos perdidos".. a situação muda de figura e de repente td está a nosso favor"... UFA!!! hehehe delícia naum!?!?!?

Adorei esse textinho!

custela disse...

meu... o pior é pensar: tenho d resolver isso e não sei como, e tenho de pensar em algo agr... afff... isso dá medo
q bom q deu tudo certo, meu filho... bom trabalho