"Então, comeu kibe cru e sentiu a vida nascer. Desse dia em diante tomou gosto pela vida e só passou a comer..." (Trio Mocotó)



segunda-feira, 9 de junho de 2008

Quem será o primeiro Alex dos trópicos?

adalberto mirinda

Um dos melhores filmes que já assisti em minha vida, foi Laranja Mecânica, de Stanley Kubrick, baseado no livro homônimo de Anthony Burgess. Nele, o jovem Alex DeLarge lidera uma gangue onde, ele e seus drugues (amigos), fazem arruaça com um grau de violência e estupros realmente alto.

Mas muito realmente mesmo!

Na primeira cena já sentimos a atmosfera tétrica do filme ao focalizar em zoom in o rosto de Alex e, de fundo, uma bela canção tão assustadora quanto. Beethoviana.
Logo depois, saem em busca de aventura, onde espancam um mendigo, uma gangue rival, invadem uma casa e Alex estupra a moradora.

Traído pelos seus drugues, ele acaba sendo capturado pela polícia, onde mais tarde aceita participar de uma experiência do governo em troca da liberdade.
O que não lhe contaram é que a tal experiência consistia numa lavagem cerebral que, supostamente, o deixaria bonzinho.

Saindo um pouco da cena cinematográfica, vamos para a cena francesa.
O presidente Nicolas Sarkozy anunciou, ano passado, uma série de medidas que reforçam a punição para pessoas que cometem crime sexual. Entre as medidas está um tratamento hormonal - popularmente chamado de "castração química".
O Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina do ABC aprovou um projeto, no mês passado, para pesquisa desse tratamento, que funcionaria da seguinte maneira: o acusado de pedofilia faria uso de hormônios femininos para reduzir o desejo sexual.

Alex e a experiência macabra

A questão a que quero chegar é: até que ponto o governo (ou a humanidade) pode usar de artifícios um tanto quanto duvidosos para conter a ação de um criminoso?
Tenho tanto ódio de pedófilos e estupradores quanto as famílias que choram as suas vítimas. Só que, será que um tratamento dessa estirpe resolveria a questão?

Será que, em vez de consertarmos algumas mentes doentias, talvez até evitarmos a criação dessas mentes, não estamos apenas tapando o sol com a peneira, utilizando de artifícios de emergência que será uma constante dúvida em sua funcionalidade?
Será que a melhor solução é uma lavagem cerebral (ou sexual) na mente (ou no corpo) de alguém?

Eu não tenho essa resposta. Mas eu só sei que a humanidade não se criou de uma só vez, portanto, os seus problemas não se resolvem de uma só vez também. Ainda acho que essas experiências macabras não darão certo. É como a infeliz idéia de diminuir a idade penal. Não acaba com a criminalidade, apenas enche mais presídios.
Soluções rápidas nunca dão certo!

Aqui, Alex curado. Bem, pelo menos, no filme deu certo...

Quero terminar esse texto com uma frase de Pitágoras: "Eduque as crianças e não precisará castigar os homens". Disse tudo esse sábio rapaz...

2 comentários:

Amanarnia disse...

é meu bom rapaz.....
Nao é fácil não sabe!
eu concordo com a frase
e acho que mais uma vez,
a questão é a educação.
Infelizmente, diante disso
eu vejo possiveis melhorias, mas
serão sempre para remediar...nunca para prevenir. Portanto...fica dificil fazer essa bola de neve parar de crescer.
bjokas

Carolinda disse...

A frase de Pitágoras é brilhante e verdadeira!
E outra verdade é qdo o texto diz sobre soluções rápidas ineficientes. Sempre foram, são e naum vejo pq naum dizer q elas sempre serão!!!