"Então, comeu kibe cru e sentiu a vida nascer. Desse dia em diante tomou gosto pela vida e só passou a comer..." (Trio Mocotó)



quarta-feira, 18 de junho de 2008

Consumidores passados para trás

caco modula

No meio do caminho o painel do carro indica que o combustível está na reserva. A solução é abastecer. A vantagem de Paranavaí, nesse sentido, é que o preço do álcool é menor do que em Maringá, por exemplo, variando de um real e dezessete centavos a um real e trinta e nove.

A placa do posto que escolho indica um real, cento e setenta e nove – quase um e dezoito – e é ali que paro o carro. Minutos depois de fazer o pedido ao frentista (trinta reais), a constatação: a bomba marca um real e vinte centavos.

- Quanto vocês estão cobrando o litro do álcool?

- Um e dezoito.

- E por que na bomba está marcado um e vinte?

- Ah, vou fazer um desconto pra você.

Apesar de me sentir enganado, aceitei o desconto. Pedi para o outro frentista completar o óleo que está baixo. Ele cobrou cinco reais. Ao todo, deveria pagar trinta e cinco reais. Com o tal desconto, o preço deveria ser menor. Qual não foi minha surpresa quando o frentista veio com a notinha:

- Trinta e cinco e cinqüenta.

- Ahn? Trinta mais cinco dá trinta e cinco, não trinta e cinco e cinqüenta. E o desconto?

Depois de me ouvir reclamar por alguns instantes, ele foi até o caixa e logo voltou com o troco: quinze reais. Nova constatação: não recebi desconto algum. Um brusco movimento de sobrancelha manifestou minha indignação. O frentista percebeu.

- Quer que dê uma lavadinha aqui no pára-brisa?

- Por favor.

Instantes depois, saí do posto e pensei: Procon. Fiz a ligação no dia seguinte e tive a garantia de que algo seria feito. Ainda não sei qual foi o resultado, mas vou ficar atento.

Tudo o que escrevi aqui foi para mostrar que há muitas pessoas que tentam ganhar a todo custo. Para isso, desrespeitam o consumidor e ferem os princípios da cidadania. Preste sempre atenção para que um desses espertalhões não te faça de bobo – como me senti naquele dia – e lute sempre pelos seus direitos.

Por hoje é só.

3 comentários:

Amanda disse...

pois é....eu bem vi que a bomba indicava outro preço quando abasteci neste mesmo posto. Se eu tivesse agido como você, seriam ao menos duas reclamações no Procon e quem sabe, alguma solução.
É melhor ficar atenta mesmo, porque o mundo ta cheio de espertalhões: pessoas que dizem ter ganhado torneios de truco enquanto no máximo ganharam uma partidinha, e ainda assim, tem foto e nota publicada em jornal! O mundo tá perdido.
Estou indignada!

Carolinda "caroneira" disse...

Por hj é "SÓ"?!?!
O texto tah dmaes e naum precisa de mais nada (puxa saco??? rsrsrs)

Falando em puxar o saco.. kem dera os consumidores fossem tratados assim neh?!?!

Pegando carona nesse carro s/ combustivel (hehehe), pô, se esse posto ae sobrevive é graças a nós, os consumidores, por isso nós deveríamos ser tratados com consideração. E já q o tratamento q eles oferecem é fora do normal, na maioria das vezes - lembro a todos q isso é dito de forma negativa - eles poderiam continuar fora do normal mas nos favorecendo, por exemplo: tapete vermelho p/ nosso carrinho desfilar, cafézinho ou chá bem kentinho enkaunto esperamos o tanque encher.. enfim.. e no minimo a quantia certa a ser cobrada e o desconto garantido, o q aliás naum seria mimo algum, mas sim o nosso DIREITO, certo?!?!

;)

Fernanda disse...

Tbm acho! Concordo com vc caco! Até pra sacanagem tem limite! E quando elas são óbvias ainda? haha...ridículo, patético!

Apoiado caco!

ps: mais um texto seu muito bem escrito...adoro!