"Então, comeu kibe cru e sentiu a vida nascer. Desse dia em diante tomou gosto pela vida e só passou a comer..." (Trio Mocotó)



quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Como a impunidade contamina as pessoas

Ginko Biloba

Não é novidade nenhuma e pra ninguém que vivemos no país da impunidade. Exemplos não faltam e nesta semana mais dois marcaram os noticiários.

Um dava conta do caso do mensalão, lembra? Pois é! Pouca gente lembra. Desde janeiro, quando o STF decidiu indiciar os responsáveis pelos imensos desvios de dinheiro, o Supremo só conseguiu ouvir 41 testemunhas de acusação. Faltam ainda mais de 600 testemunhas de defesa.

Ontem, um promotor de São Paulo que matou um jovem em uma festa foi inocentado pelo Tribunal de Justiça daquele Estado. Matou um jovem em uma briga, dentro de uma festa, porque mexeram com sua namorada. A alegação dos advogados foi legítima defesa. Mas você pode se defender de uma ação que você mesmo provoca?

Mas estes são os casos que aparecem na televisão. E os milhares que não aparecem? Ontem mesmo, aqui, na pacata Campo Mourão, dois trabalhadores de uma empresa de Maringá que estavam prestando serviço a uma empresa local reapareceram. Reapareceram? Pois é! Imaginem que dois trabalhadores de uma empresa privada começaram o seu serviço na segunda-feira e não apareceram na terça para continuar o serviço. Simplesmente não apareceram, não atendiam o celular, não estavam em hospital algum, nem presos, nem nada... apenas desapareceram, e com o caminhão da empresa, ainda por cima. Eles ficaram a terça-feira toda sumidos, sem dar sinal. O dono da empresa chegou a vir para Campo Mourão para procurá-los. Não estava em postos, em bocas de fumo, em zonas... desapareceram.

Na quarta-feira, como se nada tivesse acontecido, os dois apareceram para trabalhar. O patrão ainda estava na cidade e, quando questionados por todo mundo, inclusive pelo patrão, a resposta dos dois parecia ensaiada: Desculpe erramos, mas a gente termina o trabalho e você não faz nada, senão a gente não termina e você não tem outra pessoa pra fazer o serviço.

Pode?

E a gente acha que o que acontece na televisão não chega até nós. Chega sim, e mais rápido do que a gente imagina!

4 comentários:

Adalbertinho Mirinda disse...

Amanhã não vou escrever nada.
Na outra semana eu volto.
Vocês não podem fazer nada, senão eu não escrevo e vocês não têm mais ninguém pra escrever no meu lugar.

Caco Modula disse...

vai brincando

Pedro Senandes Simon disse...

O Léo já foi demitdo, se serve como exemplo, e você não tem icença materndade pra usar como motivo!

=^.^= Dois em um=^.^-= disse...

Hahaha obrigada, qualquer coisa, quando eu faltar, apresento atestado!